Quinta-feira, 10 de Abril de 2008

REGULAMENTO INTERNO E NORMAS DA CLÍNICA

 
INTRODUÇÃO
  
 
Nas relações humanas e nas sociedades em geral, o bom entendimento entre as partes é fundamental, para que se evitem conflitos e mal entendidos, nas vivências do quotidiano, e para tal é fundamental estabelecer regras que determinem as formas de conduta necessárias para evitar equívocos e prevenir contendas, que por certo surgirão se tais regras não forem implementadas.
Foi esta uma das fundamentais motivações que nos levou a criar este conjunto de normas ou regras, que constituem o “REGULAMENTO INTERNO DA CLÍNICA”, que a seguir se transcreve, o qual aconselhamos a ler atentamente e a pedir esclarecimento do que por ventura não entenda.
 
 
 
 
NORMAS DE ACESSO À CONSULTA DE MEDICINA DENTÁRIA
 
 
1º. - O acesso normal à consulta faz-se por MARCAÇÃO PRÉVIA, quer directamente na recepção da Clínica, o que quando se trate da primeira consulta será melhor, quer através do telefone.
Neste último caso quando vier á consulta, se é a primeira vez, deve providenciar por chegar mais cedo afim de poder fornecer todos os elementos necessários à parte administrativa na abertura do seu Processo Clínico. Se se trata de segundas consultas então é indiferente ser directamente ou através do telefone, dado já existirem os elementos administrativos respeitantes à pessoa em causa, contudo se tiver havido alterações dos respectivos dados não se esqueça de as comunicar, afim destes estarem permanentemente actualizados nas respectivas fichas.
a) Para a primeira consulta deve vir sempre acompanhado dos seguintes documentos:
   - Bilhete de Identidade (Os dados deste são importantes sempre que seja solicitado atestado médico por qualquer circunstância, p.ex.);
   - Cartão de Identificação do sistema de saúde a que pertence ou seja: Cartão de Utente do S.N.S. (Caixa), Cartão da ADSE, SAMS, Ministério da Justiça, PSP, etc. Ter em conta que volta e meia os dados destes referidos cartões são alterados pelos respectivos departamentos a que pertencem, daí que mesmo tendo sido registados no preenchimento do Processo Clínico na primeira consulta, devem por esse motivo acompanhá-lo(a) quando venha de novo ás consultas afim de ser exibido sempre que necessário ou então a pessoa ter o cuidado de comunicar as alterações atempadamente.
  - Moradas e outras formas de contacto como telefones ou telemóvel que normalmente utiliza.
b) Após a marcação directa na recepção, ou no primeiro contacto pessoal do interessado, se a iniciativa de marcação foi por telefone, ser-lhe-à entregue um CARTÃO DA CLÍNICA, onde constam todos os dados da mesma o que será importante para posteriores contactos, bem como terá nele a indicação não só da data e hora das consultas marcadas, bem como outros procedimentos e conselhos importantes não só para o utente como para a Clínica
 
2º. - O doente deverá FAZER-SE ACOMPANHAR SEMPRE DO RESPECTIVO CARTÃO DE MARCAÇÃO nas consultas que se seguirão á primeira, ou em caso de extravio solicitar de imediato outro na recepção.
 
3º. - Este CARTÃO, anteriormente referido, é INDISPENSÁVEL EXIBIR-SE SEMPRE QUE TENHA DE RECLAMAR quanto a eventuais anomalias que tenham surgido na marcação ou outras. Além do mais, o mesmo, TEM IMPRESSAS ALGUMAS NORMAS E CONSELHOS ÚTEIS, que Vª. Exª. DEVERÁ LER COM A MAIOR ATENÇÃO, como atrás já foi referido.
 
4º. - No acto de marcação normalmente não é feito qualquer depósito, mas pode ser exigido um DEPÓSITO correspondente ao valor mínimo da consulta estomatológica simples (1 T), em vigor na altura, ou múltiplos deste conforme o tempo de consulta marcado, ou conforme o tipo de tratamento a executar (grandes tratamentos, normalmente orçamentados previamente) ou outra forma a estabelecer caso a caso.
 
5º. - NA FALTA À CONSULTA, podem surgir as seguintes situações:
1Se houve depósito tal implica:
PERDA DO DEPÓSITO referido, ou seja, o correspondente aos tempos de paralização da Clínica e, automaticamente, DESMARCAÇÃO DAS CONSULTAS que o doente tenha reservado, SALVO SE:
a) - Tiver havido, por parte deste, AVISO DA IMPOSSIBILIDADE DE COMPARECER pelo menos COM 48 HORAS DE ANTECEDÊNCIA;
b) - O motivo de sua falta, for um CASO DE FORÇA MAIOR JUSTIFICÁVEL. Convirá nestes casos mesmo assim, contactar o consultório nem que seja na hora para evitar as desmarcações das consultas atrás já referidas.
2Se não tiver havido qualquer depósito, e caso o doente não tenha tido o cuidado de proceder como se referiu anteriormente em 1, alíneas a) e b), no pedido de marcação de nova consulta pode ser exigido o respectivo depósito, anteriormente já referido.
3A FALTA SISTEMÁTICA ÁS CONSULTAS, mais que TRÊS INCLUSIVÉ, implica IMPOSSIBILIDADE de futuro acesso à CONSULTA POR MARCAÇÃO, salvo se fizer os depósitos respectivos.
 
6º. - NA PRIMEIRA CONSULTA são dados a conhecer ao doente pelo Médico, a generalidade dos problemas que a sua saúde oral apresente e assim este, FICA COM A PERSPECTIVA DAS CONSULTAS NECESSÁRIAS PARA A SUA REABILITAÇÃO, pelo que desde essa altura PODE RESERVAR AS CONSULTAS PREVISTAS PARA O SEU TRATAMENTO, salvo quando tenha que ser feito estudo posterior ou se vier disposto a resolver apenas, uma questão pontual.
 
7º. - NA MARCAÇÃO DA PRIMEIRA CONSULTA, é feito O PREENCHIMENTO DA PARTE ADMINISTRATIVA DA FICHA, o que tem grande importância, não só por evitar perda de tempo quando em consulta propriamente dita, mas também, porque no espaço de tempo que mediar entre a marcação e a consulta, pode haver necessidade de ser contactado (a), e só na posse desses dados, esta Clínica o poderá fazer. Assim sendo INTERESSA QUE:
a) SEJA O PRÓPRIO a fazê-la;
b) QUANDO FOR OUTRA PESSOA a fazer a marcação, deve ser CAPAZ DE PRESTAR TODOS OS ELEMENTOS IDENTIFICATIVOS RELATIVOS À PESSOA A QUEM SE DESTINAR A CONSULTA.
 
8º. - MARCAÇÕES PELO TELEFONE, possíveis, sempre que o DEPÓSITO CONFIRMATIVO seja feito com 72 HORAS DE ANTECEDÊNCIA em relação à data da respectiva consulta, se tal for exigido.
 
 
 
 
 
NORMAS DE CONDUTA PARA OS DOENTES EM TRATAMENTO
 
 
Tenha em atenção que estas normas se destinam a manter o bom funcionamento das consultas e, consequentemente, dos actos médicos a realizar, quer em tempo quer em eficácia, CUMPRA-AS NO SEU PRÓPRIO INTERESSE.
 
1º. - CHEGUE À HORA MARCADA. O seu “pequeno” atraso vai-se reflectir, nos outros em “grandes” atrasos. Reserva-se pois a esta CLÍNICA o direito a não o atender quando chegue atrasado.
 
2º. - AGUARDE CALMAMENTE sentado(a) na Sala de Espera, se por acaso houver algum atraso devido à consulta que antecede a sua, pois no seu próprio interesse, hoje se espera, amanhã poderão ser outros a esperar, por virtude da conclusão do seu tratamento.
 
- DESLIGUE O TELEMÓVEL sempre que entrar na Área Clínica ou de tratamento, pois para além do desassossego que o mesmo causa quando toca, existe ainda o perigo de interferência com alguns equipamentos electrónicos existentes nas salas operatórias.
 
4º. - EVITE TRAZER ACOMPANHANTES, particularmente CRIANÇAS. Estas são por norma irrequietas e impacientes, pois tais qualidades são próprias do seu desenvolvimento normal e como compreende os tratamentos estomatológicos são morosos e requerem paciência.
 
5º. - CASO TRAGA ACOMPANHANTE:
a) EVITE ENTRAR PARA A SALA DE TRATAMENTO COM ELE;
b) AS CRIANÇAS ESTÃO EXPRESSAMENTE PROI-BIDAS DE ENTRAR para a sala de tratamento. Sempre que acompanhem o doente, estas, devem ficar na sala de espera ao cuidado de outra pessoa adulta de preferência.
6º. - O ACOMPANHANTE ADULTO, SE ENTRAR NA SALA DE TRATAMENTO DEVE:
a) PERMANECER QUIETO no lugar a ele destinado, dado ser contraproducente que tal aconteça a não ser em circunstâncias muito especiais. É por isso que nas salas operatórias nem tão pouco existem acentos para esse fim.
b) NÃO SE INTROMETER durante o acto da consulta, pois tal perturba e tira a atenção de quem está a operar.
 
 
 
 
INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
 
 
1º. Entende-se por CONSULTA DE MEDICINA DENTÁRIA SIMPLES aquela que apenas engloba a observação do doente, prescrição medicamentosa e pedido de exames complementares de diagnóstico, sem qualquer outro acto médico específico, sendo-lhe reservado o TEMPO MÉDIO ENTRE 15 A 30 MINUTOS (1T).
 
2º. Entende-se por CONSULTA DE MEDICINA DENTÁRIA OPERATÓRIA, aquela que já envolve actos médico-cirúrgicos específicos, sendo por isso, normalmente e previamente programada, e assim, é-lhe reservado um TEMPO MÉDIO NUNCA INFERIOR A 30 MINUTOS, ficando desde já entendido que cada CONSULTA OPERATÓRIA É SEMPRE UM MÚLTIPLO DA CONSULTA SIMPLES (n x T).
 
3º. - Todos os actos médicos e exames complementares de diagnóstico convenientes, praticados nesta Clínica, são honorados tomando como base o estabelecido pela ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS / ORDEM DOS MÉDICOS no seu respectivo:
CÓDIGO DE NOMENCLATURA DE ACTOS MÉDICOS E VALORES RELATIVOS.
 
  
HONORÁRIOS
 
 
1º. Os honorários respeitantes quer ao TRATAMENTO DOS DENTES propriamente ditos, quer ao TRATAMENTO DOS SEUS TECIDOS DE SUPORTE E ANEXOS são PAGOS NO FINAL DE CADA CONSULTA.
 
2º. Os honorários respeitantes a serviços de PRÓTESE DENTÁRIA ("placas", pontes, coroas, etc.), serviços de ORTODONTIA (aparelhos de correcção), e certos ACTOS CIRÚRGICOS mais complexos (exodontias de dentes inclusos, germectomias, apicectomias, radiculectomias, gengivectomias, enxertos, exérse de epúlides e outras hiperplasias tumorais, quistos paradentários, etc.), são PAGOS ADIANTADAMENTE, ou pelo menos 50% na primeira sessão e o restante na penúltima, salvo outro acordo.
 
3º. Esta Clínica usa o CÓDIGO DE NOMENCLATURA DE ACTOS MÉDICOS E VALORES RELATIVOS, que o Conselho Nacional Executivo da ORDEM DOS MÉDICOS, fez publicar em Agosto de 1983, como tabela, o qual com ligeiras alterações foi adoptado e aprovado em 1995 pelo Conselho Directivo da O.M.D. – ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS.
 
Como nele se explica, os cálculos tem por base dois índices, um designado por “C”, e que tendo em conta a variação dos custos, é publicado anualmente pelas Ordens dos Médicos não podendo sofrer alteração durante esse mesmo ano económico.
Quanto ao outro, designado por “K”, tem em conta a especificidade do Acto Médico, e que sendo também anualmente publicado pelas referidas Ordens, permite ao contrário do anterior índice, variações entre um valor MÍNIMO e um MÁXIMO, que a mesma publicação estabelece, para que cada profissional Médico, possa ajustar a tabela, consoante a sua diferenciação técnica, as circunstâncias do acto, a região onde se encontra, etc.
publicado por clinicadrsilvioribeiro às 17:13

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. INVOLUÇÃO DA SAÚDE ORAL N...

. A PRIMEIRA VISITA AO MÉDI...

. O QUE SE ENTENDE POR MEDI...

. PROGRAMA PREVENIR EM SAÚD...

. SAIBA COMO CUIDAR DA SUA ...

. GUIA DE HIGIENE ORAL (*) ...

. BRANQUEAMENTOS DENTÁRIOS

. DISCIPLINAS DENTÁRIAS - I...

. I - MEDICINA ORAL - INTRO...

. MEDICINA ORAL - 01 - INFE...

.arquivos

. Novembro 2009

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

.links

.Contador


Myspace Layouts
blogs SAPO

.subscrever feeds